ADQUIRA A SUA - VALOR R$ 22,00

ADQUIRA A SUA - VALOR R$ 22,00

ADQUIRA SUA CARTELA - R$ 10,00

ADQUIRA SUA CARTELA - R$ 10,00

PADRE JAMES E MINISTROS

PADRE JAMES E MINISTROS

PADRE JAMES E ACÓLITOS

PADRE JAMES E ACÓLITOS

PAPA FRANCISCO

PAPA FRANCISCO

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA - Clique na imagem

DIRETOR PROVINCIAL SALVATORIANO

DIRETOR PROVINCIAL SALVATORIANO
Pe. Álvaro Macagnan

quarta-feira, 16 de maio de 2012

16 DE MAIO - DIA DO GARI

 Fonte: Paulinas

Os povos da Antigüidade, enquanto eram nômades, não necessitavam de água canalizada, rede de esgoto ou remoção de lixo. Passaram, contudo, a ter problemas com o saneamento básico quando começaram a viver num local fixo.

Embora Roma, em 753 a.C., possuísse serviço de esgoto e a melhor rede de estradas, ainda não contava com serviço de limpeza pública. Era comum os cidadãos romanos deixarem o lixo em qualquer lugar, a exemplo do que infelizmente acontece em algumas de nossas grandes cidades.

Em 1354, a cidade de Londres foi pioneira ao estabelecer que o lixo deveria ser removido da frente das casas uma vez por semana. Mas a população costumava jogar o lixo nos rios. Já em 1407, todos foram instruídos a guardar o lixo dentro de casa até ser levado pelo coletor; essa prática perdurou por séculos.

Por volta de 1500, Paris era conhecida como a cidade mais suja da Europa. Os parisienses continuaram a jogar o lixo nas ruas, embora o governo coibisse esse costume. Foi somente a partir de 1919 que cerca de trezentos veículos começaram a circular na cidade para fazer a coleta. Nessa época, o uso do cesto de lixo foi decretado obrigatório.
No Brasil, a política de saneamento e limpeza pública é exercida pelo governo municipal.

Os lixeiros, que passam de casa em casa recolhendo o lixo, lembram em muito as práticas de antigamente, embora estejam fazendo uso de novas ferramentas de trabalho. Os lixeiros são também chamados de "garis". A origem desse nome deve-se ao fato de o governo do Rio de Janeiro ter contratado, em 11 de outubro de 1876, um empresário para fazer a limpeza urbana. Naquela época, as ruas da cidade eram imundas, com muitos focos de doenças. O contratado foi o francês Aleixo Gary, cujo nome se tornou sinônimo dos limpadores de rua. Em 1885, Gary já era também responsável pela limpeza das praias, transportando o lixo para a ilha de Sapucaia. Manteve essa atribuição até 1891, ano em que se afastou de sua empresa de limpeza, entregando-a um parente, Luciano Gary. No ano seguinte, o governo do Rio de Janeiro comprou a falida empresa de Gary, pagando a quantia de 232.238 contos de réis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário